.

PI

[PI] Produções Independentes

A [PI] Produções Independentes é uma associação que promove a produção, criação e circulação de artistas e projetos da área da dança e da performance e projetos participativos e com a comunidade.


A [PI] Produções Independentes é uma associação de produtores que visa fomentar o trabalho de produção independente através da partilha de meios, melhoramento das condições, criação e disponibilização e partilha de recursos.
Foi criada para dar apoio a artistas independentes e projetos em colaboração no desenvolvimento de trabalho de produção,  gestão, financiamento, circulação, estratégia e implementação.
Constituída como associação cultural, em 2009, por profissionais da produção artística, criou condições como plataforma de gestão e produção com produtores independentes como Tânia M. Guerreiro, Rita Vieira, Magda Bull e Gisela Barros.
Produz o trabalho do criador Rui Catalão e teve colaborações com Jonas&Lander, Ainhoa Vidal, Maria Ramos, Sylvia Rijmer, Suzana Branco e com estruturas como Teatro Maria Matos, Planeta Tangerina, Artemrede e Transforma, entre outros.

 


Tânia M. Guerreiro – Direção e Produção

Tânia M. Guerreiro (Lisboa, 1975)

É licenciada em Cenografia pela Escola Superior de Teatro e Cinema, tendo terminado o curso no Institut del Teatre em Barcelona (1996-1998). Fez o curso de Intermedia na Escola Massana em Barcelona e de Gestão/Produção no Forum Dança em 1999. Trabalhou em várias áreas da produção de espectáculos, cinema, artes visuais e festivais, como o Festival Atlântico, Temps d’Images, Alkantara, Casa d’Os Dias da Água, O Som e A Fúria, ZDB, Jangada de Pedra, onde desempenhou funções de produção, gestão, angariação de financiamentos, desenvolvimento de projetos europeus e comunicação.
Entre 2009 e 2010, desempenhou funções de coordenação executiva na Rede – Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea e entre 2016 e 2017 foi presidente da Direção da Rede.
Em 2009 cria a Associação Produções Independentes (PI) onde desenvolve colaborações com diversos artistas independentes como Rui Catalão, Jonas&Lander, entre outros. Actualmente a PI colabora com Rui Catalão, Carlota Lagido, Diana Niepce, Tiago Vieira e Bernardo Chatillon.
Em 2017 criou a associação ORG.I.A – Organização, Investigação e Artes, onde dá apoio e consultoria a diversos artistas emergentes e experimentais .
Nesse mesmo ano ganhou o prémio Natércia Campos de Melhor Produtor Cultural.
Como curadora colaborou com a Transforma e o Fiar e criou o projecto Self-Mistake o evento Dançar é a Minha Revolução.

 

 

Enable JavaScript to view protected content. | Tel: +351 964728435 | Skype: taniamguerreiro

 

Marta Moreira - Produção

(Vila Nova de Famalicão, 1978)
 Licenciada em Belas Artes – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.
Iniciou o seu percurso profissional como artista plástica (representada pela Galeria Módulo - Centro Difusor de Arte desde 2002).
Nas áreas da dança e do teatro trabalhou no atelier Real (2013 - 2015) dirigido pelo coreógrafo João Fiadeiro, onde desempenhou funções de produção, acolhimentos; integrou também a peça “O que Fazer Daqui para Trás”, na tradução e legendagem em tempo real.
Na Ar de Filmes/Teatro do Bairro (2016 - 2019) foi responsável pelos acolhimentos e gestão do calendário, pela produção do espaço e pela coordenação entre as equipas acolhidas e a equipa do teatro e fez a produção executiva da peça “Terror e Miséria”, de Bertolt Brecht, encenada por António Pires.
Em 2014 criou, com o artista plástico Gonçalo pena, a designer Luísa Barreto, a produtora Candela Varas e o performer Bruno Humberto a Associação Irreal que geriu e programou entre 2016 e 2018.
Colabora desde 2019 com a PI – Produções Independentes e Org.i.a. como produtora executiva de obras de artistas como Carlota Lagido, Rui Catalão, Diana Niepce, Rubén Sabadini e Bruno Humberto e Rui de Almeida Paiva.
Em 2019 fez a produção executiva da peça “Enseada” de Miguel Castro caldas (pela Org.i.a)  e da exposição “What is Ornament?” integrada na Trienal de Arquitectura de Lisboa.
Neste momento a trabalhar nas peças “Mina” de Carlota Lagido, “Ça va Exploser”, de João Fiadeiro e “Sujeito”, de Andresa Soares.
Fez ainda a tradução das peças de teatro “Trópico del Plata” e “80 de un minuto” do dramaturgo e encenador argentino Rubén sabadini e a tradução e legendagem para o espanhol do filme “Peregrinação” de João Botelho.
Em 2019 ilustrou o livro “Se o Mundo é Redondo, o Pensamento é ao Quadrado”, de Rui de Almeida Paiva.

 

Enable JavaScript to view protected content. | 914821989