.

AMO-TE. MESMO QUE NÃO COMPREENDAS. (SINFONIA Nº1)

Tiago Vieira

O Amor mais uma vez surge como gesto radical, uma decisão, uma catástrofe, mas também uma possibilidade de Ressurreição. A Intimidade como forma de Resistência, o toque como movimento transgressor, o baile, a festa, dançar como um verdadeiro acontecimento de clandestinidade. Declarações de amor, possíveis páginas de diários íntimos, discursos de insónia, diálogos de catástrofe, paisagens poéticas, lugar coreográfico do onírico e da alucinação. O encontro como desejo, o abraço como arma, a impossibilidade do toque como suspensão da liberdade. Resistir como ação coreográfica, amar como movimento filosófico, é absolutamente necessário continuar a levar flores a Rimbaud porque o Amor ainda precisa ser reinventado.

AMO-TE. MESMO QUE NÃO COMPREENDAS. (SINFONIA Nº1) é uma Sinfonia coreográfica e verbal para uma arquitetura: a casa. O lugar casa como espaço de travessia, de confronto, de movimento, de intimidade, de desejo, solidão e amor.


Encenação, textos, espaço cénico, figurinos, coreografia: Tiago Vieira
Performers: André Marques, Paula Moreira, Lewis Seivwright, Beatriz Godinho, Tiago Vieira

Projecto PEEP SHOW
Produção: ORG.I.A
Curadoria e Produção: Tânia M. Guerreiro
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa - Fundo de Emergência Social – Cultura, Produções Independentes e Latoaria
Parceiro Institucional: República Portuguesa – Ministério da Cultura

 

Alípio Padilha