.

Dueto

Diana Niepce

Existimos com o outro, num conflito que aproxima amor e morte. Está presente uma luta que implica esta relação, e só assim podemos viver uma verdade na intimidade. A possibilidade de viver essa verdade no nosso horizonte nunca pode ser feita sem estarmos dispostos a passar pela crueza da mutação que desfigura a própria noção de corpo utópico. Esta metamorfose só acontece em conjunto e contra o corpo do outro, e nela reside a violência oculta de uma subversão de papéis.

Aqui, o corpo expõe-se na crueza de existir a partir do nada, e assim surgir o tudo. Perde-se na incompreensão transparente da sua fragilidade e subverte este significado na provocação pervertida da diferença. A dança que emerge da deformação íntima do estado do corpo observado. Nunca seremos mais do que o que somos nus.


Direção artística e coreografia: Diana Niepce
Performers: Carolina Carloto, Diana Niepce, Hugo Cabral Mendes, Vítor Hugo Afonso
Desenho de luz: Carlos Ramos
Som: Jonny Kadaver
Produção: Produções Independentes
Residência de co-produção: O Espaço do Tempo
Coprodução: Centro Cultural de Belém
Apoio: Câmara Municipal de Lisboa/ Biblioteca de Marvila

 

João Meirinhos

Joaquim Leal

Alípio Padilha